terça-feira, 31 de maio de 2011

evangélicos ameaçam convocar Palocci para depor se piso salarial de PMs não for votado


PEC-300: evangélicos ameaçam convocar Palocci para depor se piso salarial de PMs não for votado

Da Agência Câmara:
O deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) disse há pouco que, se a PEC 300/08 não for votada pelo plenário, os deputados que defendem a proposta vão apoiar a convocação do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci.
“O momento político é esse. Temos uma pedra preciosa, um diamante que custa R$ 20 milhões, que se chama Antonio Palocci”, disse o deputado, na instalação da Frente Parlamentar de Defesa da PEC 300. “A bancada evangélica pressionou e o governo retirou o kit gay. Vamos ver agora quem é da bancada da polícia. Ou vota, ou o Palocci vem aqui.”
A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado suspendeu há pouco a audiência pública no auditório Nereu Ramos, sobre projetos de interesse dos policiais, para a instalação da Frente Parlamentar de Defesa da PEC 300.

AMAI - Paraná - participa de reunião com secretário da SEAP


AMAI participa de reunião com secretário da SEAP


A AMAI participou de uma reunião, na manhã de ontem (30), com o Secretário Estadual da Administração e Previdência, Luiz Eduardo Sebastiani, para tratar sobre a implementação da Emenda 29, que deveria ter ocorrido até o dia 28 de abril.
dsc00121
O presidente da AMAI, coronel Elizeu Ferraz Furquim, falou sobre a Associação e a necessidade de corrigir a forma de remuneração dos policiais e bombeiros militares, não apenas pelo direito constitucional, mas também por uma questão de valorização desses profissionais que desenvolvem um trabalho de extrema importância para a sociedade. Além disso, destacou a evolução que a PMPR terá com a exigência do curso superior para ingresso na corporação.
dsc00127
O secretário, em contrapartida, se inteirou sobre o assunto, comprometendo-se a conversar com o governador Beto Richa sobre a Emenda, com a promessa de repassar à Associação uma posição sobre o assunto até o dia 8 de junho. Segundo ele, é preciso retomar essa discussão e verificar a condição de estabelecer um prazo para a implementação.
Porém, Furquim alerta que isso deverá ocorrer em um curto tempo. Caso contrário, a AMAI precisará recorrer às vias judiciais para garantir esse direito, pois o governo não obedeceu o prazo constitucional. “Vou me reunir com o governador e com o secretário da SESP para buscar soluções”, finaliza o secretário.

Iveco cria divisão de veículos militares e investe R$ 75 milhões


04/04/2011 14h09 - Atualizado em 04/04/2011 14h09

Iveco cria divisão de veículos militares e investe R$ 75 milhões

Primeira ação será o projeto de veículo anfíbio para o Exército Brasileiro.
VBTP Guarani pesa 18 toneladas, tem tração 6x6 e transporta 11 militares.

Do G1, em São Paulo
A Iveco anunciou, nesta segunda-feira (4), a criação de uma divisão de veículos militares. A primeira ação será gerenciar o projeto do VBTP-MR, o veículo blindado anfíbio que a empresa desenvolve em conjunto com o Exército Brasileiro. Nomeada Iveco Veículos de Defesa, a nova divisão começa com investimento de R$ 75 milhões para a construção de uma unidade produtiva dentro do complexo industrial da Iveco em Sete Lagoas (MG).
VBTP Guarani é o veículo militar que a Iveco desenvolve com o Exército Brasileiro (Foto: Divulgação)VBTP Guarani é o veículo militar que a Iveco desenvolve com o Exército Brasileiro (Foto: Divulgação)









De acordo com a empresa, que pertence ao Grupo Fiat, uma área de 18 mil metros quadrados será totalmente reformulada para acolher a produção seriada das 2.044 unidades do VBTP já encomendadas pelo Exército e que está prevista para começar no segundo semestre de 2012. A nova unidade vai empregar 350 pessoas, muitas das quais treinadas para tarefas especializadas e raras no mercado, como solda de aço balístico.
A Iveco Veículos de Defesa foi anunciada oficialmente nesta segunda-feira ao governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, em evento realizado no Centro Administrativo do Governo do Estado e que teve a participação do Comandante do Exército Brasileiro, General Enzo Peri, entre outras autoridades civis e militares. Na cerimônia, foi apresentado também o primeiro protótipo do VBTP-MR, batizado “Guarani”, que será exibido na Latin America Air & Defence (LAAD), a maior feira militar da América Latina que começa no dia 12 deste mês no Rio de Janeiro.
Segundo a Iveco, após ser exibido na LAAD, o protótipo segue para o campo de provas do Exército Brasileiro em Marambaia (RJ), para um período de testes. Ao mesmo tempo, a Iveco Veículos de Defesa iniciará a construção de um lote piloto de 16 veículos previstos no período de desenvolvimento.
A criação da Iveco Veículos de Defesa faz parte do projeto da empresa de expansão no país. últimos quatro anos as vendas da Iveco cresceram cinco vezes no mercado brasileiro. “Com a Iveco Veículos de Defesa poderemos não só melhor atender ao nosso parceiro e cliente, o Exército Brasileiro, como também desenvolver novos produtos para o segmento militar, seja para o Brasil, seja para a exportação”, disse o presidente da Iveco Latin America, Marco Mazzu.
VBTP Guarani
O VBTP Guarani é fruto de uma licitação de 2007 promovida pelo Exército Brasileiro. O projeto total envolverá recursos da ordem de R$ 120 milhões, incluindo a unidade de produção. Além disso, outros R$ 35 milhões serão empregados pela FPT Powertrain, empresa do grupo Fiat Industrial, para a produção do motor diesel de 9 litros a ser utilizado no projeto VBTP. Outros modelos da Iveco também receberão o motor.
O primeiro protótipo do VBTP Guarani foi desenvolvido no Brasil por uma equipe conjunta do Exército Brasileiro e da Iveco, além de especialistas da Comau, empresa de engenharia automotiva do Grupo Fiat, no total de 30 pessoas. Parte do grupo realizou treinamento especial na Iveco Defence Vehicles, na Itália, uma divisão internacional da Iveco que projeta e produz diversos veículos militares.
O VBTP Guarani é um veículo blindado anfíbio de 18 toneladas e tração 6x6, capaz de transportar 11 militares. Ele mede 6,91 m de comprimento, 2,7 m de largura e 2,34 m de altura. O veículo usa chassi em longarinas de aço, que permitiu com que o veículo ficasse mais alto em relação ao solo. Assim, ele tem capacidade maior de proteção anti-minas.
Comparado ao modelo em uso hoje pelo Exército Brasileiro, o VBTP Guarani traz como vantagens proteção blindada superior, maior mobilidade, maior capacidade de transposição de trincheiras, maior capacidade de degrau vertical, maior vão livre, suspensão independente hidropneumática e sistema de freio com disco duplo e ABS. O veículo vem ainda com ar- condicionado, GPS, sistema automático de detecção e extinção de incêndio, capacidade de operação noturna de série e sistema de detecção de laser.
Ele pode ser equipado com torre de canhão automático ou de metralhadora, operada por controle remoto. O modelo pode ser aerotransportado por um avião tipo Hercules C-130.
O VBTP Guarani servirá, ainda, como plataforma base de uma família de blindados médios de rodas que poderá ter até mais dez versões diferentes, incluindo veículos de reconhecimento, carro de combate, socorro, posto de comando, comunicações, morteiro leve, morteiro pesado, central diretora de tiro, oficina e ambulância.
A maior parte dos componentes do protótipo e do lote piloto de 16 veículos será importada, mas o projeto tem como diretiva elevar o conteúdo nacional acima dos 60%, com o objetivo de reduzir custos de produção e de manutenção. A cadeia produtiva deve envolver cerca de 110 fornecedores diretos e até 600 indiretos

Usina é multada em um milhão de reais pelo IAP

Gaeco termina inquérito sobre irregularidades na Saúde em Londrina

Quase encerrado o inquérito de desvio de verbas na saúde - Londrina‏

É tudo grátis: 13 ferramentas de produtividade


É tudo grátis: 13 ferramentas de produtividade


Tome notas, faça apresentações, substitua o Microsoft Office e converta entre vários formatos de arquivo sem gastar um tostão!

Continuamos vasculhando a web para encontrar os melhores utilitários para facilitar o seu dia-a-dia no PC. Hoje vamos mostrar ferramentas que podem aumentar sua produtividade, de pacotes Office completos a um serviço que converte entre vários formatos de arquivo. Aproveite, é tudo grátis!



COFRES E MAÇONARIA


COFRES E MAÇONARIA

STJ dá prazo para magistrados se defenderem

Magistrados de Mato Grosso, denunciados pelo Ministério Público Federal, têm 15 dias para apresentar defesa. A notificação foi dada pelo Superior Tribunal de Justiça ao desembargador José Ferreira Leite e aos juízes Marcelo Souza de Barros e Marcos Aurélio dos Reis Ferreira. Eles são acusados pelo crime continuado de peculato — apropriação por funcionário público de bem público ou particular em razão do cargo que ocupa — por causa de pagamentos feitos de forma irregular, dentro do TJ de Mato Grosso, com o intuito de prestar socorro financeiro para a maçonaria.
A decisão do ministro João Otávio de Noronha, relator do caso, foi publicada na edição do Diário Eletrônico da Justiça da última sexta-feira (27/5), mesmo dia em que a notificação foi enviada ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso. O prazo de 15 dias para manifestação dos denunciados começa a contar a partir do recebimento da notificação. Após a apresentação da defesa, o relator levará o caso à Corte Especial, que decidirá se aceita ou não a denúncia do MPF.
Na mesma decisão, Noronha retirou o sigilo do processo. Ele considera que não há fato sigilioso porque “os cargos públicos ocupados pelos denunciados, per si, não atraem a hipótese de que os autos venham a ser acobertados por essa reserva”.
No inquérito que deu origem a esta ação penal também foi investigada a participação de outros sete magistrados no desvio de recursos públicos. Eles foram aposentados compulsoriamente por decisão do Conselho Nacional de Justiça. Porém, o ministro Celso de Mello concedeu liminar e eles voltaram ao trabalho. O mérito do caso ainda será analisado pelo STF. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.
Ação Penal 668

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Maluf, procurado em 181 países onde será preso se desembarcar, recebe homenagens da elite política. É o fim da picada

Maluf, procurado em 181 países onde será preso se desembarcar, recebe homenagens da elite política. É o fim da picada: "

O vice Michel Temer, pouco depois de saudar Maluf, que é cumprimentado pelo senador Francisco Dornelles (PP-RJ) na convenção estadual do PP


Amigos, a coisa não aconteceu agora, foi no domingo anterior ao passado, mas nunca é tarde para exprimir uma indignação.


No caso, minha indignação com a cabulosa presença de parte da elite política brasileira na posse do deputado Paulo Maluf como presidente do PP de São Paulo.


Estavam lá, lépidos e pimpões, o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o deputado mais votado do Estado nas eleições passadas, Gabriel Chalita (por enquanto no PSB, mas rumando para o PMDB), o prefeito Gilberto Kassab (PSD), cria política do ex-presidenciável José Serra, e um dos mais duros e implacáveis críticos de Maluf no passado, o ex-deputado tucano e hoje secretário de Energia paulista, José Aníbal – entre outros.


Ordem de captura internacional desde 2007


Amigos, não é possível! Até há pouco, Maluf era tido, visto e apontado como a encarnação do mal, como tudo o que de pior há na política. Agora, é paparicado, em nome de apoios políticos e eleitorais.


É o fim da picada: desde março do ano passado, o ex-prefeito é procurado em todo o planeta pela Interpol, a polícia internacional, e será preso se desembarcar em nada menos do que 181 países do mundo.


Sua ordem de captura foi expedida em 2007 pela Justiça de Nova York sob a acusação de conspiração, fraude e roubalheira de dinheiro público por, como prefeito (1993-197), ter entre outras coisas supostamente desviado recursos das obras da Avenida Jornalista Roberto Marinho (ex-Água Espraiada) para contas em entidades financeiras de Nova York, de onde a dinheirama teria se espalhado para a Suíça, o Reino Unido e o paraíso fiscal britânico da Ilha de Jersey, no Canal da Mancha.


A denúncia na Justiça americana é de responsabilidade do promotor de Nova York Robert Morgenthau, que trabalhou em investigação conjunta com integrantes do Ministério Público paulista desde 2001.


Onde está o pudor em confraternizar com alguém procurado pela Interpol?


Do ponto de vista jurídico estrito, Maluf não foi condenado. Mesmo assim, em minha modesta opinião, esses políticos, especialmente o governador Alckmin, deveria ter algum pudor em confraternizar com alguém que hoje só pode sair do Brasil para visitar a Coreia do Norte, os Estados Federados da Micronésia, as Ilhas Salomão, Kiribati, Palau, Tuvalu e Vanuatu – os únicos países do planeta que não são filiados à Interpol e nos quais, portanto, não vale a ordem internacional de capura de Maluf.


O ex-prefeito, que tinha uma suíte permanente no luxuosíssimo Hotel Plaza Athenée de Paris e esteve preso durante 40 dias em 2005 numa carceragem da Polícia Federal, hoje não pode nem atravessar a fronteira em Foz do Iguaçu para dar um pulinho no Paraguai.


E, no entanto, foi enaltecido como homem público e saudado como “grande colaborador” do governo Dilma pelo vice Michel Temer, e saudado pelo governador Alckmin, que disse de sua “alegria” por ter, desde há algumas semanas, o apoio do PP na Assembleia Legislativa – negociado por ele próprio, contra indicações de Maluf para seu governo.


O que diria Mário Covas?


O mentor político de Alckmin, o falecido governador tucano Mário Covas – talvez o mais duro e implacável adversário de Maluf ao longo de sua vida pública – deve estar se revirando no túmulo com a atitude do afilhado.


Tudo de olho nas eleições municipais do ano que vem e nas presidenciais de 2014. O que não se faz, no Brasil, em nome de vencer.


Deliciado, Maluf tinha um sorriso malicioso nos lábios quando, sobre eventuais alianças, disse:


– Nós, que somos do bem, faremos coligação com quem for também do bem.


Vejam a ficha do homem “do bem” no “procura-se” da Interpol:



"

Cristão, dono de lojas de brinquedos se nega a vender produtos de Harry Potter

Cristão, dono de lojas de brinquedos se nega a vender produtos de Harry Potter: "Gary Grant é cristão e dono de uma grande rede de lojas de brinquedos no Reino Unido. Sua loja tem chamado atenção da mídia local porque ele se nega a vender produtos do bruxo Harry Potter. Apesar da reclamação de ...


"

Policiais civis são afastados do cargo por envolvimento com jogo do bicho

Policiais civis são afastados do cargo por envolvimento com jogo do bicho: "

O juiz João Gustavo Rodrigues Stolsis, de Jandaia do Sul, determinou liminarmente o afastamento dos policiais civis Gustavo Nucci Nogueira e Pedro Leite, ex-delegado e ex-investigador de polícia da delegacia da cidade, por suposto favorecimento de quadrilhas de jogo do bicho que agiam na região.


A decisão atende ação civil pública por ato de improbidade administrativa proposta em conjunto pelas Promotorias de Justiça de Proteção do Patrimônio Público de Londrina e de Jandaia do Sul e foi proferida hoje, 30 de maio. Foi requerido que se comunique de imediato a Secretaria de Estado da Segurança Pública, para o cumprimento da liminar.


O envolvimento dos policiais civis com os bicheiros Mario Saddi Junior e André Luiz Saddi Pires veio à tona no final do ano passado, durante uma operação do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado – GAECO, do MP-PR. Na ocasião, foi constatado que o então delegado e o investigador recebiam dinheiro para permitir a ação dos criminosos – “contribuições” mensais na ordem de R$ 3 mil. Em dezembro do ano passado foi proposta ação penal para responsabilizar criminalmente os envolvidos no caso.


"

A falência do sistema judicial penal brasileiro

A falência do sistema judicial penal brasileiro: "
Coluna Vladimir - Spacca
Dia 24 de maio de 2011, condenado em definitivo a cumprir 15 anos de reclusão, o jornalista Antonio Marcos Pimenta Neves, 74 anos, foi preso na sua casa, localizada na zona sul de São Paulo, pelo assassinato da sua namorada Sandra Gomide, como ele, jornalista.
Ambos trabalhavam no jornal O Estado de São Paulo e o homicídio se deu em razão do rompimento de uma relação de quase três anos. Pimenta Neves atingiu a vítima com dois tiros, um na cabeça e o outro nas costas. Nunca negou a autoria.
A tragédia, em princípio, assemelha-se a tantas outras que ocorrem diariamente em nosso enorme território. Um homem, inconformado com o rompimento de um caso amoroso, perde a cabeça e comete um desatino. É o típico criminoso incidental, aquele que não oferece maior risco à sociedade. Mas sua ação é grave o suficiente para ocasionar uma condenação a 15 anos de reclusão.
A peculiaridade do caso, o diferencial, como gostam de afirmar os empresários, é que o delito ocorreu em 20 de agosto de 2000. Exatamente há quase 11 anos. Apesar de o condenado ter permanecido alguns meses na prisão (setembro de 2000 a março de 2001), só agora é que ele foi condenado em definitivo. Seu derradeiro julgamento, pela 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, ocorreu nesta semana.
Aqui há que se abrirem parênteses. A gravidade da demora não é fruto de algo excepcional. Para ficar apenas no crime de homicídio, Brasil afora há milhares de casos em que os julgamentos pelo Tribunal do Júri simplesmente não são feitos. Não apenas porque não se descobriu o autor, o que sucede em qualquer país do mundo, mas também porque os processos se eternizam em atos processuais que se adiam, precatórias, exames periciais, liminares em Habeas Corpus, Embargos de Declaração, recursos intermináveis.
A situação é bem pior do que se imagina. O dia em que alguém se dispuser a fazer esta análise, através de uma dissertação de mestrado, a população verá estarrecida a falta de segurança a que está exposta.
A demora, no caso em análise, não beneficiou ninguém. O acusado permaneceu mais de 10 anos sob expectativa, sempre prestes a ser recolhido ao cárcere. É possível imaginar os problemas psicológicos e físicos disto decorrentes. Os pais da vítima aguardaram a decisão final por todos estes anos. Ninguém pode imaginar o que isto representa em termos de sofrimento. Só vivenciando. O pai, João Gomide, agora com 72 anos de idade, contraiu câncer e está em uma cadeira de rodas, quiçá fruto de seu sofrimento.
E não adianta tentar explicar com a presunção de não culpabilidade (ou de inocência) prevista na Constituição Federal. Ninguém compreende ou aceita. A população não tem raciocínios sofisticados. Para ela, bastam a data do crime e a da condenação final.
Neste panorama que se aproxima do caos, não é o caso de procurar culpados pela demora. O processo tramitou normalmente. O advogado exerceu o direito de defesa até o limite e ninguém pode criticá-lo por isso. Esse é o seu papel. O problema está no sistema. O Brasil, outrora orgulhoso de seu sistema judicial, está caindo em descrédito. A demora dos processos, fruto de 4 instâncias, faz com que nada termine antes de 10 anos. No cível e no crime. Exceto, obviamente, casos de pessoas defendidas por advogados inexperientes, que não sabem manejar os recursos aos Tribunais Superiores.
Não conheço país em que um réu confesso de homicídio espere mais de 10 anos pelo julgamento final. Posso imaginar o riso irônico de um representante dos países do G7, onde o Brasil pretende ter assento. E duvido também que em uma tribo indígena da Amazônia um julgamento demore um terço de 10 anos e 10 meses.
Não adiantam soluções paliativas, como a súmula vinculante, ou filtros como o da repercussão geral. A única solução é voltar-se ao sistema anterior, duas instâncias para todos, uma terceira ou quarta em casos excepcionais e de repercussão nacional.
Logo alguém dirá que nos TJs ou TRFs surgirão decisões injustas, contrárias à jurisprudência predominante ou que em alguns há desembargadores parciais. Não ignoro que, aqui ou ali, possam existir problemas. Mas, ainda assim, o sistema precisa assumir este risco. Ele é melhor do que permitir a uma população de quase 200 milhões de habitantes que leve seus processos às Cortes Superiores, inclusive na área da Justiça do Trabalho (TST).
Aos que são favoráveis ao sistema atual, desejo que não tenham um filho vítima de uma violência dessas que a TV exibe diariamente. Se tiverem, entenderão bem o gosto amargo de um sistema judicial que não responde aos anseios mínimos da população brasileira.
A continuar assim, creio que é o caso de se estudar a conversão de Varas Criminais em Juizados Especiais. Afinal, se elas, nem de longe, conseguem cumprir o papel a que se destinam, talvez fosse melhor direcionar a sua cara estrutura para atender os mais necessitados.

"

POLICIAIS E BOMBEIROS APELAM À FIFA E AO COI





Cansados de apelar às autoridades brasileiras, que se utilizam dos mesmos discursos e práticas para adiar a votação da Proposta de Emenda Constitucional nº 300, a PEC 300, que estabelece o Piso Salarial Nacional para os policiais brasileiros, os policiais e bombeiros do Brasil resolveram provocar o Presidente da FIFA (Fédération Internationale de Football Association) e do COI (Comitê Olímpico Internacional) denunciando as situações em que se encontram as polícias brasileiras.

Um modelo de abaixo-assinado está sendo compartilhado em várias redes sociais, para que policiais imprimam e recolham assinaturas de colegas, familiares e conhecidos, visando remeter o maior número de assinaturas possível ratificando a seguinte situação:


O modelo acima se refere ao Rio de Janeiro, podendo ser adaptável a cada estado da federação. Trata-se duma iniciativa inteligente e plenamente legal de reivindicação, que pode fazer com que os presidentes das entidades desportivas influenciem os legisladores brasileiros e os governos a se empenharem na aprovação da PEC.

Segundo vem sendo divulgado nos blogs e comunidades, em momento oportuno será anunciado o modo de reunir todas as assinaturas recolhidas no Brasil. Para baixar o modelo do documento clique aqui e aqui. É mais uma frente na luta pela PEC 300. Boa sorte a todos nós!

A REALIDADE NO MÉXICO

Durante aula, um tiroteio começa a ocorrer nos arredores da escola:


a professora manda os alunos se deitarem no chão, mas em vez de desesperá-los com a violenta realidade, simula uma brincadeira, e todos começam a cantar e se divertir. 

Promotor acusado de corrupção é exonerado

Promotor acusado de corrupção é exonerado


Foi expulso do Ministério Público, na sexta-feira (27/5), um promotor acusado de corrupção, após batalha jurídica que durou mais de 22 anos.


A informação é do jornal Folha de S. Paulo.


O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Fernando Grella, afirma ser um caso emblemático, no sentido de mostrar o quanto os recursos são capazes de atrasar o desfecho de um julgamento.


Para Grella, isso mostra a necessidade urgente de mudança.


As ações do caso começaram em 1989, quando a Procuradoria acusou o promotor Luiz Aguinaldo de Mattos Vaz de corrupção passiva.


Segundo a denúncia, Vaz aproveitou-se do cargo de curador de Massas Falidas (que fiscaliza falências), entre 1983 e 1984, para participar de várias fraudes.


Uma das decisões atesta que ele desviou bens "com o fim de obter proveito ilícito", com substituição fraudulenta de bens penhorados e arrematados por outros. O Ministério Público também deu início a Ação Civil Pública para destituir Vaz do cargo de promotor em 1991.


Mesmo afastado,
ele continuou recebendo o salário.


Considerando o atual salário inicial dos promotores, de cerca de R$ 18 mil.


Estima-se que desde seu afastamento, Vaz já tenha recebido mais de R$ 4,7 milhões.


Em 1996, o TJ o condenou a um ano e seis meses de prisão.


Mas a punição não poderia ser executada, pois já havia passado muito tempo.


O julgamento serviu de base para que, na ação civil, o TJ exonerasse Vaz em 2000.


O réu recorreu ao Superior Tribunal de Justiça.


A apelação entrou na corte em 2002 e só foi concluída no tribunal em 2010.


No período, o promotor apresentou dez recursos ao STJ, o que adiou demais a decisão.


Em março de 2011, o ministro Ricardo Lewandowski declarou que a apelação não atendia aos requisitos jurídicos para ser apreciada pelo STF.


Essa decisão tornou-se irrecorrível no dia 25 de abril.


O Ministério Público concluiu que o processo havia terminado e na sexta-feira, o procurador-geral assinou a demissão de Vaz, que foi publicada no "Diário Oficial" de São Paulo.






BRASIL

DESORDEM
E
REGRESSO

Delegado faz xixi em boate, atira contra dois policiais militares e é preso em Goiânia


Delegado faz xixi em boate, atira contra dois policiais militares e é preso em Goiânia

O delegado de polícia do Distrito Federal Willy Borges de Amorim foi preso por atirar em dois policiais militares de Goiás, após fazer xixi dentro de uma boate, em Goiânia. O crime ocorreu na madrugada de domingo (29), na Exposição Agropecuária de Goiás, no setor Nova Vila.
Os policiais militares Danilo Souza Campos e Georgeton dos Passos Rodrigues, que estavam de folga e faziam a segurança da boate Santa Fé, perceberam que o delegado estava fazendo xixi dentro do camarote. Ao questioná-lo, foram baleados.
Durante a abordagem, por volta das 3 horas da manhã, Danilo pediu que Willy parasse de urinar no local, e quando se virou, o delegado sacou uma pistola 380 e efetuou dois disparos que atingiram a perna do militar.
Segundo a assessoria de comunicação da Polícia Militar, o outro policial, Georgeton, entrou em luta corporal e também acabou sendo baleado na perna.
Preso em flagrante, o delegado foi levado para a Delegacia de Homicídios, na Cidade Jardim, onde permanece detido. Ele responderá por tentativa de homicídio. Os baleados foram encaminhados para o hospital e passam bem.
 


Estudo feito pela Sesp-PR mostra que cadeias estão superlotadas


Estudo feito pela Sesp-PR mostra que cadeias estão superlotadas

No estado existem 13.600 presos aguardando o julgamento nas celas.
Capacidade estipulada é para 6.790 homens.

Do G1 PR, com informações da RPC TV
Um levantamento feito pela Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná (Sesp-PR), mostrou que as cadeias do Paraná estão superlotadas. Em todo o estado existem 13.600 presos aguardando o julgamento nas celas. O número é mais que dobro da capacidade estipulada, que seria de 6.790 homens.
Veja a reportagem do Paraná TV 1ª edição, da RPC TV
De acordo com a Sesp, todas as 20 subdivisões da Polícia Civil existentes no Paraná estão com a capacidade esgotada. Na Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos da capital, 160 homens estão divididos em 24 celas, mas cada espaço é projetado para somente duas pessoas.
EmToledo, na região Oeste, 11 carceragens acumulam 778 presos, mas o espaço é projetado para apenas 195. Em Marechal Cândido Rondon, também no Oeste paranaense, os moradores vizinhos das delegacias estão preocupados com a frequência das fugas, que na maioria das vezes é causada também pela superlotação. No município, o número de presidiários chega a ser sete vezes mais do que a capacidade esperada.
As delegacias têm a finalidade de ser temporárias, os presos que são condenados deveriam ser transferidos para as penitenciárias, mas também não há vagas nestes lugares. Aproximadamente 4.149 presidiários aguardam para ser transferidos no estado, mas as 14.500 vagas existentes também já estão ocupadas.