quinta-feira, 2 de junho de 2011

Casal sofre perseguição por se converter a Cristo

Casal sofre perseguição por se converter a Cristo

Em Cartum, casal cristão, com um recém-nascido, disse que vive sob ataques após se converter do islamismo ao cristianismo.


Omar Hassan e Amouna Ahmadi, ambos de 27 anos, disseram que fugiram de Nyala, a 120 km a sudoeste de El Fashir, para Cartum, em junho de 2010, mas homens armados com facas, conhecidos como “os assaltantes mascarados”, atacaram-nos no dia 4 de maio, depois que parentes descobriram que eles haviam se convertido ao cristianismo. Hassan contou que ele e sua esposa alugavam uma casa de seu tio em Cartum, mas ele pediu que se retirassem, após saber que haviam deixado o Islã.
Sua esposa ficou ferida tentando protegê-lo, no ataque do dia 4, ele disse à Compass.



"Estou em Cartum há seis meses, sem emprego para sustentar a minha mulher doente", disse Hassan. "Os muçulmanos invadiram nossa casa e, na tentativa de me matar, feriram minha mulher na mão."


A faca perfurou a palma da Ahmadi, que disse que seu irmão a tinha esfaqueado três vezes na barriga meses antes, ferindo gravemente o baço dela, quando ela lhe contou que se tornara cristã.



"Eu sinto dor, mas meu marido está vivo e estamos orando para ter dinheiro para o tratamento da mão e do baço", disse ela.

Perseguição da família


“No violento ataque, seu irmão também quebrou-lhe a perna esquerda. Ela foi levada às pressas a um hospital local, onde o pessoal estava relutante em tratá-la por causa de sua conversão”, fontes informaram à Compass. No final, ela ficou internada no Hospital de Nyala durante três semanas, onde conheceu Hassan, um recém-convertido que também sofreu por sua fé; ele a visitou e ouviu sobre como sua família a havia magoado.


Hassan disse que não podia cuidar dela, embora estivesse em agonia.



Ele chamou um pastor da Igreja Episcopal do Sudão (ECS) para ajudá-la e ela recebeu alta após a recuperação parcial, voltando para a casa hostil onde havia sido atacada.

"Você não merece ser um membro de minha família", o pai gritou-lhe com raiva.


Sua família a trancou em um quarto, presa a uma cadeira de madeira, e a espancou durante um mês.



"Eu fui muito maltratada: rasparam todo o meu cabelo enquanto meu pai batia na minha cabeça", disse Ahmadi. 
"Mas os vizinhos em segredo me deram comida e água."


Depois de ser libertada do cárcere privado, Ahmadi foi impedida de sair dos limites da propriedade da família.


"Eu encontrei uma chance de escapar para ir à ECS, onde me casei com Hassan," disse. "Minha saúde continuava se deteriorando e os médicos recomendaram que eu fosse transferida para Cartum para fazer um tratamento especializado no baço. Com uma pequena quantia de dinheiro, conseguimos chegar a Cartum, de comboio, onde meu tio nos hospedou sem saber que somos cristãos ".


Em Cartum, viram-se sem condições financeiras para pagar o medicamento necessário para o tratamento do braço.


"Há apenas uma farmácia em Cartum que lida com problemas relacionados ao braço ", disse Ahmadi. "A farmácia pede um depósito antecipado no valor de 300 dólares para encomendar a droga, que vem do Cairo (Egito). Mas nós não temos como levantar a quantia necessária, uma vez que estamos desempregados. "


Hassan e Ahmadi dependem de amigos para ter alimentos básicos, disse ela. Às vezes ficam sem comer durante dois dias.



"Não podemos negar a Cristo; este é um grande desafio para nós, porque não temos um lugar para ir", disse ela, em meio às lágrimas. "Não temos comida, e estamos desempregados. Eu ainda estou com dor, além de ter um bebê de 2 meses de idade para cuidar. "

Tradução: Marcelo Peixoto

Notícias Cristãs com informações do Compass Direct via Portas Abertas



FONTE: SIGA O LINK

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seus comentários.